RO - Terça - Feira, 19 de Junho de 2018
Atualizada: 18/02/2018 20:19:03

Paraquedistas de Rondônia ajudam bater recorde de queda livre com 15 homens

Paraquedistas de Rondônia ajudam bater recorde de queda livre com 15 homens

Não era um cometa! Nem uma estrela cadente, muito menos um avião. Mas sim um grupo de paraquedistas disposto a quebrar uma marca da Federação Paraense de Paraquedismo que perdurava há 15 anos. Neste mês de fevereiro, o grupo de atletas estabeleceu um novo recorde de formação em queda livre: 15 homens com muita coragem colocaram os nomes na história do esporte.

 

 

Além disso, o novo recorde no paraquedismo colocou o estado de Rondônia nas alturas, pois três dos atletas são moradores de Ariquemes. Em entrevistas, os atletas Alex Sarkis, Gilmar Carvalho e Nairo Cesar Fernandes explicam que moram em Ariquemes, mas são filiados à Federação Paraense de Paraquedismo e foram convocados para tentar quebrar o recorde, que se concretizou após cinco tentativas.

 

- Desde quando iniciei no paraquedismo, todos os instrutores eram do Pará. Então a minha filiação, apesar de morar em Rondônia, pertence à Federação Paraense. E em 2018, a Federação do Pará colocou como meta a quebra do recorde que durava desde 2003, com 12 paraquedistas. Agora nós estabelecemos a meta de 15 homens e conseguimos ultrapassar essa marca que durava bastante tempo – comenta Alex Sarkis.

 

Por estarem filiados e preencherem todos os requisitos para participar do salto, os três paraquedistas foram convidados pela federação e acompanharam o grupo até o Centro Nacional do Paraquedismo, em Boituva-SP, que possui a maior área de paraquedismo da América Latina e tinha a estrutura adequada para os saltos.

 

Ao todo, eram 25 paraquedistas, que passaram por um treinamento prévio antes de iniciarem as tentativas e depois foram pinçados para compor o grupo de 15.

 

– Só o fato de ter sido convocado para isso e ainda por cima compor o grupo do salto, foi motivo de muita alegria para nós. Tivemos cinco tentativas frustradas durante dois dias, mas no primeiro salto do terceiro dia nós conseguimos fazer a formação em queda livre com perfeição, que ficou 7,2 segundos – detalha Sarkis.

 

Depois de três dias, o recorde que se arrastava desde 2003 foi quebrado pelos paraquedistas corajosos e agora eles podem desfrutar de ter o nome cravado em uma marca da história esportiva, tanto para a Federação Paraense de Paraquedismo quanto para o município de Ariquemes.