RO - Domingo, 22 de Outubro de 2017
Atualizada: 11/08/2017 11:07:16

Vilhenense de 12 anos e sem os dois braços vence prova e dá exemplo de superação em Cacoal

A competição é classificatória à etapa nacional do Paralímpica Escolar.

Aos 12 anos, o paratleta vilhenense João Eduardo Faustino Soares descreve uma história de superação e aposta no atletismo porque não pode competir em duas modalidades individuais.

 

A segunda opção dele era o tênis de mesa, mas o sonho de medalha acabou se concretizando na prova de velocidade de 100 metros na fase estadual da etapa paralímpica dos Jogos Escolares de Rondônia (Joer), que encerrou ontem, em Cacoal. A competição é classificatória à etapa nacional do Paralímpica Escolar, que acontece de 20 a 25 de novembro, em São Paulo (SP).


“Queria muito competir no tênis de mesa também, mas não podemos nos inscrever em duas modalidades individuais”, lamentou. Mas foi para a disputa dos 100 metros e venceu. 


Não bastasse a medalha no atletismo, o pequeno atleta ainda participou de uma prova de natação, mas apenas para fazer um teste de verificação de habilidade. Foi considerado um grande destaque dos jogos deste ano, com vaga garantida na fase nacional.


João Eduardo teve dos dois braços amputados depois de sofrer um acidente de trânsito com o pai, quando tinha três anos de idade. Ele teve que aprender a utilizar os pés em tarefas simples, como pentear o cabelo e escovar os dentes, por exemplo.


“Faço muitas atividades sozinho, como vestir camiseta, tomar banho, me alimentar, brincar e jogar no computador”, disse o menino, exibindo as habilidades ao alcançar o teclado do computador com os pés para acessar a internet no Centro de Convivência do Joer, em Cacoal. “Gosto de vários jogos e navego sempre nas redes sociais”, disse, reforçando a aptidão pelo equipamento eletrônico.


Após o desempenho alcançado, garantindo a classificação à etapa nacional, João revelou. “É um sonho representar minha escola, cidade e o Estado em competição nacional”, disse o estudante da Cooperativa Educacional de Vilhena (Coopevi), que vem treinando regularmente nos últimos seis meses.

 

Assim como João Eduardo, outros 657 paratletas, técnicos, dirigentes e árbitros participaram desta etapa Especial Paralímpica em Cacoal. A competição, disputada nas modalidades de futsal, atletismo, natação, tênis de mesa, bocha e bocha convencional, envolveu paratletas de 72 escolas de 20 municípios. O evento é uma organização da Gerência de Educação Física, Esporte e Cultura Escolar (Gefece), da Secretaria de Estado da Educação (Seduc).